BRASÍLIA  -  A Procuradoria-Geral da República se manifestou contra o pedido do dono da Rodrimar, Antônio Celso Grecco, para arquivar a investigação envolvendo a empresa no Inquérito dos Portos, que tem como alvo o presidente Michel Temer.

Em seu despacho, o vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, também se posicionou contra a possibilidade de a investigação sobre a Rodrimar ser enviada à primeira instância.

O inquérito, que está sob a relatoria do ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso, investiga se Temer favoreceu a empresa ao editar o chamado Decreto dos Portos em 2017, que beneficiou companhias que atuam no Porto de Santos. Em troca, a Rodrimar teria supostamente pago propina ao presidente.

Grecco foi um dos presos pela Operação Skala, em março deste ano. Ele e outros amigos de Temer ficaram dois dias na cadeia até serem liberados por Barroso.

No pedido de arquivamento enviado ao Supremo, a defesa de Grecco afirma que "não há justificativa" para que eventual investigação continue e nega que a empresa tenha dado contrapartidas a Temer. O presidente também nega irregularidade.